Artigo recorrente de um estudo do investigador e professor Carlos Neto, da Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade de Lisboa, que eu subscrevo.



#0 – EU COMO PAI
Eu fui um pai assim, pressionando o filho, obrigando ele jogar onde eu achava que ele era bom, seguindo a orientação de outros.
Não lhe perguntava, AFIRMAVA.

Comecei a permitir-me estar mas calmo e a observar e ele ensinou-me a ser PAI DE UM ATLETA:
– Dentro de campo nos treinos, e jogos é ELE e o TREINADOR a Orientar.
– Motivação e atitude – Sou EU a lhe orientar

No estudo feito, destaco alguns resultados:

#1 – SOBRE OS PAIS
No desporto, os pais são muitas vezes um problema para os filhos
Gritam, insultam, tentam substituir-se aos treinadores. Há muitos pais que não resistem a estes comportamentos quando os filhos entram em campo.(…)

E o que fazem estes pais? “Querem substituir-se aos treinadores, gritam instruções para dentro do campo. ‘Chuta, remata e por aí fora…’ O que só confunde as crianças”,
(…)

Ensino articulado
“Fazer atletas a todo os custo só dá disparate”, refere, acrescentando que “há muitas crianças a sofrer porque são obrigadas a fazer desporto”, frequentemente em modalidades que são escolhidas pelos pais.

#2 – SOBRE AS ESCOLAS

“(…)O presidente da Confap lamenta que os jovens tenham de ser prejudicados nos resultados escolares por praticarem desporto, uma situação que atribui ao facto de a escola estar de costas voltadas para a realidade dos jovens que dedicam muito do seu tempo ao desporto.

“Do mesmo modo que há um ensino articulado da música [onde os alunos são dispensados da frequência de algumas disciplinas para prosseguirem a sua educação musical] também deveria haver um ensino articulado do desporto”(…)”

#3 – A MINHA OPINIÃO

O que mais me preocupa como humano:
Ver que a MAIORIA dos PAIS com esta forma prejudicativa de abordar os filhos, são, NA SOCIEDADE, elementos com grande responsabilidade de evolução das crianças, desde Médicos, Professores, Funcionários Escolares, Policias, Educadores, Engenheiros, (…)

Observo que não o fazem por mal. Ouvimos as noticias do mundo de manhã, durante o dia, a noite e no treino, no jogo descarregamos.
Somos formatados e não é na escola.
Somos formatados pelos barões do mundo.
Observem!

O que me faz todo o sentido:
“(…) “o mais importante não é ganhar, mas sim como se chega ao resultado final, o que tem a ver com o processo de aprendizagem”.(…)

Ver mais em: https://goo.gl/gBpK56

#educação, #formação, #desporto

in @publico.pt

 

 

E para os atletas estes 2 videos de motivação

mm

Analista / Programador na empresa GoalMarketing, S.A. | Aluno desta escola viva que é a vida, juntamente com estes milhões de colegas, mestres, despertadores que se permitem (me) despertar e me envolver nesta consciência de tudo e de nada. (escolaviva.eu) | Terapeuta e frequentador do/no espaço ki-madeira.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.