A maior crueldade de todos é educar os nossos filhos num sistema que não valoriza a sua expressão criativa, nem incentiva as suas habilidades únicas.

Se acreditas que és o responsável pela alegria do outro, então também tens que acreditar que és responsável pela dor do outro. Isto não deixa nenhum espaço para o outro ser responsável por si mesmo. Emidio Carvalho

Ser criativo não é querer. Ser criativo é sentir! Sentir amor, felicidade, empenho, curiosidade no que estás a fazer. Nem que seja desmontar uma PlayStation.

Ser criativo não é querer. Ser criativo é sentir! Sentir amor, felicidade, empenho, curiosidade no que estás a fazer. Nem que seja desmontar uma PlayStation. bruno azevedo

Eu não preciso de saber o melhor para o meu filho. Não preciso mesmo!

Sei que as crianças tem uma capacidade fortíssima de seguir que amam, quem lhes dão afecto, seguir ídolos. Também sei que são honestas e verdadeiras para elas. São amor a 100%.

Sei que também deixam de ser honestas e verdadeiras, com elas,  para “Obedecer” aos pais, aos professores, aos superiores que hierarquicamente são os detentores da verdade, do poder de decidir, para receberem afecto.

O que posso fazer como Pai?
Sabendo que o meu filho me segue e me tenta imitar, deixei de fazer e querer que ele seja que eu gostaria de ser em criança, ou seja, deixei de querer que ele seja outra pessoa que não ele.

Trato de me descobrir e estar em paz com o que a vida me oferece todos os dias, em todos os momentos. E por vezes é com ele junto e por vezes não é com ele junto. Dedico-me a ser verdadeiro comigo, honesto comigo, a me amar. Abro o coração à experiência que a vida me dá, e quando me perco, questiono-me o que posso fazer nos próximos 5 minutos.

Tento estar sempre presente para mim neste momento,  estou presente para ele, sempre que estiver. Querer que ele seja um aluno de 100%, ou de 50% ou de 0%, não resulta. Ele é neste momento o que é, 100% ele.

Nós adultos, sempre que somos obrigados a fazer algo que não gostamos, é um passo para sentir tensão, repudia, cansaço, pressão. Aprendemos, inconscientemente, na nossa infância estes sentimentos. Não nos questionamos, mas como se devem sentir, os nossos filhos, quando lhe mostramos felicidade e alegria quando tem notas altas, e tristeza, frustração, desilusão quando tem notas baixas? Já se questionaram?  Já se aperceberam o peso de responsabilidade que colocamos nos nossos filhos ao querer deles os melhores?  E já os são! A maneira deles.

Mostrar-lhes que somos verdadeiros e honestos connosco, inconscientemente, estamos a lhes dar confiança para poderem abertamente serem criativos.

mm

Analista Programador || GOALMARKETING || SHIP4YOU | Lojas Online | Sites | Pagamentos Online Aluno desta escola viva que é a vida, juntamente com estes milhões de colegas, mestres, despertadores que se permitem (me) despertar e me envolver nesta consciência de tudo e de nada. (escolaviva.eu) | Terapeuta Corporal || Educação Emocional | Leitura e Cura de aura in @brunoazevedomadeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.