Quantas vezes “queremos” o melhor para os nossos filhos? Sempre! E por vezes, por isso, fazemos “de tripas coração” para terem o melhor.
E fazemos de 2 formas ( e sentimos sempre que é com amor):
1 – fazemos tudo por eles e queremos ser reconhecidos por isso, por eles, pela família, pelos amigos, pelo mundo, a nos dizer que somos os melhores pais do mundo. E se isso não acontecer acreditamos que não fomos os melhores pais do mundo e sofremos;

Ou

Bruno a António Azevedo

Tó & EU

2 – Faço, sabendo que estou a fazer o melhor que sei neste momento para mim como pai e para ele como filho. Mesmo que diga “não” ou dê umas palmadas no rabichol.
Não existe outro momento que não este. E neste, posso lhe sugerir, posso lhe abraçar, posso lhe beijar, posso estar presente para quando precisar de ajuda, posso lhe negar, posso lhe ouvir, posso me ouvir, posso aprender com ele, posso ver beleza.
E ele nem precisa de estar aqui comigo presencialmente.

Obrigado Tó, por me fazeres ouvir-te, e ouvir-me.

Hoje partilho a publicação da escolaviva:
Em relação a um filho que não obedece ou não ouve os pais, a única coisa que se pode fazer é amar o filho. E se é assim tão importante que o filho me ouça, poderia eu começar a dar o exemplo e ouvir os outros, incluindo o filho?(…) Emídio Carvalho

Bom dia.

mm

Analista Programador || GOALMARKETING || SHIP4YOU | Lojas Online | Sites | Pagamentos Online Aluno desta escola viva que é a vida, juntamente com estes milhões de colegas, mestres, despertadores que se permitem (me) despertar e me envolver nesta consciência de tudo e de nada. (escolaviva.eu) | Terapeuta Corporal || Educação Emocional | Leitura e Cura de aura in @brunoazevedomadeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.